Entrar na Eternidade pela porta ensanguentada do Amor

“Eu chego ao extremo da Felicidade, a essa exaltação que se analisa! Há pouco ainda fiz uma verdadeira figura de criança; recriminando-me, em frente daquela velha manicura, demonstrando ter ciúme de Morghange. Porque não teria também ciúmes dos outros que ali ficaram na sala de mármore vermelho e dos que ainda hão-de vir, para encher aqueles nichos vazios? Eu sei que, neste momento, Morghange deve estar junto de Antinêa. E sinto uma amarga e dolorosa alegria ao pensar na sua. Mas daqui a três ou quatro meses, talvez, o nicho receberá o seu corpo embalsamado. Depois um targui virá buscar-me. E será a minha vez de entrar na Eternidade pela porta ensanguentada do Amor.“

― Pierre Benoit, A Atlântida

L'Atlantide