Bibliofilia # 25 “I Demoni Meridiani”

“Il Sole è generalmente considerato come una potenza fecondatrice. In numerose teogamie un raggio di sole insegue la vergine e la penetra: costei resta allora incinta. Parimenti le virtù fecondatrice delle sorgenti nel giorno di San Giovanni (vale a dire al solstizio d’estate) non si spiega con la credenza che il Sole giunto all’apogeo della sua forza abbia loro comunicato la propria potenza generatrice.”

― Roger CailloisI Demoni Meridiani

25-i-demoni-meridiani-caillois

“I Demoni Meridiani”, de Roger Caillois, Bollati Boringhieri, 1988. Tradução de Alberto Pelissero. Título original, “Les démons de midi”.
No mundo Antigo, a hora de deuses e demónios não é a meia-noite, mas sim o meio-dia. Esta tese de Roger Caillois (um daqueles autores de gigantesca erudição que já ninguém lê) data de 1937 (o mesmo ano do início da sua amizade com Geoges Bataille e da fundação da revista L’ Acéphale) e foi originalmente publicada na Revue d’histoire des religions.
Les démons de midi constitui um estudo prodigiosamente erudito sobre a mitologia mediterrânica, uma profunda e perturbadora reflexão sobre aquela hora imobilizadora, em que a Humanidade, confrontada com potências misteriosas, se encontra exposta a todos os perigos e tentações: “Per i popoli antichi, l’ora carica di virtualità magiche non era la mezzanotte, ma il momento in cui il Sole è allo zenit”.

25-i-demoni-meridiani-caillois-ii

Roger Caillois, Les démons de midi, frontispício de André Masson.