Bibliofilia # 7 “Gnosticism – Its History and Influence”

“In the first centuries of our era, the Gnostics disputed with Christianity. They were annihilated, but we can imagine their possible victory. Had Alexandria triumphed and not Rome, the bizarre and confused stories that I have summarized would be coherent, majestic, and ordinary. Lines such as Novalis ‘life is a sickness of spirit,’ or Rimbaud’s despairing ‘true life is absent; we are not in the world,’ would fulminate from the canonical books.”

Jorge Luis Borges, A Defense of Basilides the False

07-gnosticism-benjamin-walker

“Gnosticism – Its History and Influence”, de Benjamin Walker, The Aquarian Press, 1983.
O Gnosticismo (do Grego gnosis – “Conhecimento”) consiste num termo genérico para designar todo um conjunto de crenças e práticas intrínsecas a um número inacabável de seitas heterodoxas que floresceram no Império Romano e na Ásia Ocidental no decurso dos primeiros séculos da Era cristã.
O Gnosticismo, para além da figura de Cristo (fulcral nas sua perspectiva de Salvação), alimentou-se de muitas correntes culturais – incluindo a mitologia egípcia, a magia caldaica e o misticismo judaico. As suas práticas secretas iam da ascese extrema até à licenciosidade mais desmedida, deixando um caminho aberto às mais inusitadas especulações.
O autor desta obra, Benjamin Walker (25 Novembro 1913 – 30 Julho 2013), para além de ter alcançado a provecta idade de 99 anos, foi uma autoridade nos mais variados campos do Esoterismo.
Em Gnosticism – Its History and Influence, o estudioso providencia de forma bastante diligente os trilhos de acesso ao leitor que se inicia na temática gnóstica, descrevendo algumas das suas fontes (como os Manuscritos do Mar Morto e os documentos de Nag Hammadi), a natureza e desenvolvimento do pensamento gnóstico, os rituais secretos das seitas principais, enaltecendo ainda a influência do Gnosticismo no Pensamento religioso e esotérico do Ocidente – desde o Neoplatonismo, Catarismo e Trovadores, até ao diabolismo do final do século XIX e às modernas seitas votadas ao Amor Livre.