O Arranca Corações # 193 “Trás-os-Montes”

“ Vou falar-lhes dum Reino Maravilhoso. Embora muitas pessoas digam que não, sempre houve e haverá reinos maravilhosos neste mundo. O que é preciso, para os ver, é que os olhos não percam a virgindade original diante da realidade, e o coração, depois, não hesite. Ora, o que pretendo mostrar, meu e de todos os que queiram merecê-lo, não só existe, como é dos mais belos que se possam imaginar. Começa logo porque fica no cimo de Portugal, como os ninhos ficam no cimo das árvores para que a distância os torne mais impossíveis e apetecidos. E quem namora ninhos cá de baixo, se realmente é rapaz e não tem medo das alturas, depois de trepar e atingir a crista do sonho, contempla a própria bem-aventurança.
Vê-se primeiro um mar de pedras. Vagas e vagas sideradas, hirtas e hostis, contidas na sua força desmedida pela mão inexorável dum Deus criador e dominador. Tudo parado e mudo. Apenas se move e se faz ouvir o coração no peito, inquieto, a anunciar o começo duma grande hora. De repente, rasga a crosta do silêncio uma voz de franqueza desembainhada:
– Para cá do Marão, mandam os que cá estão!…”

Miguel Torga – Um Reino Maravilhoso (Trás-os-Montes)

Na madrugada de Sábado para Domingo, dia 12 de Junho, da 01:00h às 02:00h da manhã, vai para o ar mais uma emissão d’O Arranca Corações.

01 Máscaras 2_Noémia Delgado_FIMFA

Fotograma do filme “Máscaras” (1976), Noémia Delgado.

O provincianismo bacoco veiculado pelos media portugueses, aliado à graçola fácil, é algo que que me deixa profundamente incomodado (não ofendido!). Entenda-se assim esta emissão d’O Arranca Corações como uma reacção às afirmações (com seis anos de atraso, é certo), do “cançonetista” visgarolho que deviria era estar a comer bananas (tal como o macaco por si enaltecido), em vez de proferir generalizações palermas sobre os outros). Tenho dito.
Resta-me apenas esperar que a selecção musical aqui proposta possa ajudar à educação musical do dito cujo (ainda que burro velho não aprenda línguas. Oops, parece que também proferi uma generalização. Sorry…).
Não percam esta edição repleta dos maiores “êxitos” musicais de Michel Giacometti (através das suas recolhas efectuadas no Nordeste Transmontano para a série “Povo que Canta”, Brigada Vítor Jara (vamos revisitar “Tamborileiro”, álbum de 1979), Né Ladeiras (através de alguns temas retirados do seu disco “Traz Os Montes”, editado em 1994), Galandum Galundaina (mestres da folk transmontana que dispensam qualquer apresentação), Sangre Cavallum (banda calaico-penafidelense sobejamente conhecida pelo seu revisitar do cancioneiro transmontano), Picä Tumilho (banda de Sendim, Miranda do Douro, que tem como particularidade cantar em Mirandês. Muita atenção ao seu rock rural com reminiscências dos Ramones), Fernando Lopes-Graça (via Coral de Letras da Universidade do Porto), e por último, os galegos Luar Na Lubre (que interpretam com uma inebriante beleza poética o tema “La Molinera”).
Os meus caros ouvintes podem acompanhar a transmissão do programa através das seguintes frequências de transmissão da NFM, ou então, se assim o preferirem, através da emissão online.

frequc3aancias-nfm

A Rádio NFM faz bater mais forte o coração da música independente!