Psychoanalysis, Art & The Occult: The First and Final Report

Faz exactamente hoje um mês (totalmente exaurido pela dedicação votada à iniciativa RAW TERRITORIES GATHERINGS – Film and Music Festival) que me meti num avião com destino à capital britânica. Ainda que (e talvez por isso mesmo) o objectivo desta visita relâmpago visasse explorar uma certa dimensão uncanny na acepção freudiana do termo, não consegui esconder a minha estupefacção logo no aeroporto de Stansted, quando me confrontei com os vinte e muitos graus de temperatura por contraste com os treze ou catorze do Porto. Portugal: país de clima mediterrânico, portanto!
À semelhança de todos os momentos que marcaram os já quase 15695 dias da minha existência terrena (se tudo correr bem serão atingidos já no próximo dia 23 deste mês), só volvido um certo período de distanciamento é que consigo ter um olhar retrospectivo sobre os mesmos. E é nessa condição que aqui deixo o meu singelo report destes três dias inolvidáveis vividos entre 6 e 8 de Maio no âmbito do Simpósio: Psychoanalysis, Art & The Occult.

Vanessa Sinclair_Carl Abrahamsson_Júlio Mendes Rodrigo

Após o transporte de autocarro desde o aeroporto até Saint Pancras, apanhei o metro até Whitechapel. Bagagem guardada e ingerido o pequeno-almoço, estuguei o passo em direcção ao Candid Artes Centre, o local onde decorreram as actividades. Um ligeiro atraso (perdoável a quem visita uma cidade pela primeira vez) não me permitiu estar presente nas boas-vindas efectuadas pelos organizadores Vanessa Sinclair e Carl Abrahamsson, bem como participar na Invocação dos Espíritos de Londres efectuada por Katelan Foisy. Para grande tristeza minha também perdi a comunicação de Khi Armand. Um auditório repleto com uma audiência compenetrada “aguardava-me”. Após ter conseguido um lugar na plateia deixei que o meu olhar deambulasse pelas obras de arte expostas nas paredes da sala, fruindo do apelo irresistível exercido pelo talento de Katelan Foisy, Vanessa Sinclair, Austin Osman Spare, Genesis Breyer P-Orridge, Ken Henson, Jesse Bransford, Val Denham, Charlotte Rodgers, Roberto Milusic Migliussi, Fredrik Söderberg, Derek Elmore, Juan Montoya, Natan Alexander, Malcolm McNeill, Jhonn Balance, Annette Rawlings, Billy Jacobs, K. Lenore Siner, e Steingrimur Eyfjord. Depois, assaltou-me um único pensamento: o simpósio estava a decorrer e eu ali estava, fazendo parte dele, juntamente com Carl Abrahamsson, Robert Ansell, Graham Duff, Katelan Foisy, Vanessa Sinclair, Val Denham, Olga Cox Cameron, Gary Lachman, Eve Watson, Jesse Hathaway Diaz, Ray O’Neill, Alkistis Dimech, Peter Grey, Steven Resiner, Ingo Lambrecht, Demetrius Lacroix, Khi Armand, Langston Khan, Katy Bohinc, Charlotte Rodgers, Luce deLire, Sharon Krauss, Eliott Edge, Claire-Madeline Culkin, Jordan Osserman e Derek Elmore. Quanta honra!
No cômputo geral as comunicações foram de nível bastante elevado. Levando em linha de consideração os meus interesses tirei bastante partido das seguintes intervenções: Graham DuffSublime Fragments; The Art of Jhonn Balance; Robert AnsellAndrogyny, biology and latent memory in the work of Austin Osman Spare e Cut in Creation por Katelan Foisy & Vanessa Sinclair. Uma nota de destaque vai para a honestidade desarmante e espírito de partilha evidenciado por Val DenhamProclaim Present Time Over, e Carl AbrahamssonGradual Formulation – On similarities between ritual magic and psycho-analysis. Este último a integrar o Painel VII, moderado por mim, e que contou ainda com Eve WatsonBowie’s Non-Human Effect: Uncanniness in The Man Who Fell to Earth (1976) and The Hunger (1983) e Luce deLireNecropolitics, Death Drive & the Necessity of Evil.
Para além das comunicações, o simpósio integrou ainda a projecção do filme Sub Umbra Alarma Luna de Carl Abrahamsson, cuja estreia em Portugal se efectuou no âmbito do RAW TERRITORIES GATHERINGS – Film and Music Festival, nessa mesma semana (no dia 1 de Maio), bem como o concerto de Val Denham com Oli Novadnieks, Danny Loker e Jeanne (Devaleve/Sineflesh).
Destaco ainda a cumplicidade firmada com Val Denham, Vanessa Sinclair, Carl Abrahamsson, Charlotte Rodgers, Langston Kahn e Khi Armand. Estes últimos protagonizaram a cerimónia ritual de conclusão, naquele que foi um momento de muito AMOR e partilha pura.
As comunicações apresentadas neste simpósio vão integrar o número 9 da publicação The Fenris Wolf, a ser publicada no próximo Inverno. Voltarei a este assunto nessa altura. Por agora resta-me apenas enviar as minhas respeitosas saudações a todos quantos participaram/assistiram e este simpósio. Um enorme agradecimento é dirigido à Vanessa e ao Carl por possibilitarem a minha participação neste acontecimento único.