O Arranca Corações # 177 “Grupo Dramático 9 de Junho”

“O Teatro é mais rico. Os actores estão lá, em carne e osso. No Cinema, só está a personagem. O actor já não se encontra lá quando o filme é exibido. O Cinema é complementar mas tem uma vantagem, perdura no tempo. Se houvesse Cinema no tempo áureo das tragédias gregas saberíamos como elas eram. Como não há, apenas calculamos como seriam.”

Manoel de Oliveira (Porto, Cedofeita, 11 de Dezembro de 1908 – Porto, Foz, 2 de Abril de 2015)

Na madrugada de Sábado para Domingo, dia 21 de Fevereiro, da 01:00h às 02:00h da manhã, vai para o ar mais uma emissão d’O Arranca Corações.

cartaz aniversário

Cartaz por Ana Rita Pereira

Fundado a 12 de Fevereiro de 1899, o Grupo Dramático 9 de Junho, secção anexa ao Círculo Católico de Operários do Porto, comemorou o seu 117º aniversário no passado fim-de-semana. O Arranca Corações juntou-se a esta celebração e esteve à conversa com dois dos actores d’A Birra do Morto, a criação mais recente desta trupe. Eis uma breve apresentação dos meus convidados:
Rosário Melo, nasceu no Porto, a 22 de Setembro de 1992, na Ordem da Lapa, após curtas horas de trabalho de parto. Colabora desde 2010 com a Confederação, um colectivo de investigação teatral. Se espreitarmos a página da companhia, Rosário Melo é-nos apresentado como Actriz e Técnica de Higienização. Provocação, ou reflexo de uma estrutura horizontal?
Ricardo Miguel Carvalho Soares, nasceu a 6 de Janeiro de 1993, em Aveiro, frequentou o Conservatório de Música da Jobra, onde completou o curso Profissional de Artes do Espectáculo, na variante de Interpretação. Ingressou no Ensino Superior Público português em 2011 na Variante de Interpretação na Escola Superior de Música e Artes dos Espectáculos no Porto, actualmente frequenta o segundo ano do Mestrado de Desenvolvimento de Projecto Cinematográfico, na Escola Superior de Teatro e Cinema em Lisboa. Como actor vem desde 2009 a interpretar várias personagens em produções Teatrais e Cinematográficas, entre os quais a curta-metragem “Trangressão”, de Pedro Farate que esteve em festivais como FantasPorto, FEST e Sardinia Film Festival; “Rosencrantz e Guilderstern estão mortos “ encenado por Marco Martins, no Teatro Nacional de São João, a Curta-Metragem “The Sea Change” de Evgeniy Kirillov e Darya Rudakova, a Curta-Metragem “Masquerade” de Nikolay Sidorov, entre outros…´
No decurso desta emissão teremos ainda tempo para escutar Joly Braga Santos, nomeadamente alguns excertos da sua Sinfonia Nº 4, numa interpretação da Orquestra Sinfónica da Radiotelevisão Romena com o Coro da Filarmónica “George Enescu”, dirigidos por Silva Pereira.
Os meus caros ouvintes podem acompanhar a transmissão do programa através das seguintes frequências de transmissão da NFM, ou então, se assim o preferirem, através da emissão online.

frequc3aancias-nfm

A Rádio NFM faz bater mais forte o coração da música independente!