“Il miracolo dello schiavo”

«La pintura no es […] un modo de ser de las paredes ni un modo de ser de las telas, sino un modo de ser hombre que los hombres, a veces ejercitan»
ORTEGA Y GASSET, Papeles sobre Velazquez Y Goya, Revista de Occidente, Madrid, 1950, pp.17-18.

Como vivemos uma época dada a instaurações; da reinvenção de sempiternos “novos” paradigmas à redefinição lexical das contra argumentações utilizadas no jogo da cadência harmoniosa dos pares de opostos – ocorreu-me por bem citar Ortega Y Gasset, a propósito da política revisionista encetada pelo Rijksmuseum, na Holanda.
Para “revisão” fica também aqui esta tela de Jacopo Comin (Tintoretto), “Il miracolo dello schiavo” (1548).

es·cra·vo
Substantivo masculino

  1. Indivíduo que foi destituído da sua liberdade e que vive em absoluta sujeição a alguém que o trata como um bem explorável e negociável. = CATIVO
  2. Súbdito de um tirano.
  3. [Figurado] Que está dominado por um sentimento, uma ideia. = DEPENDENTE
  4. [Figurado] Enamorado.
  5. [Portugal: Trás-os-Montes] Maltratado, mal alimentado.

Ser escravo da sua palavra

  • Cumpri-la custe o que custar.

“Escravo”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa.

Jacopo_Tintoretto_-_The_Miracle_of_St_Mark_Freeing_the_Slave_-_WGA22480

Da série “Choque de Civilizações”, DEV©MMXVI.