ENCYCLOPAEDIA MUSICA INDUSTRIALICA # John Murphy (RIP)

O dia de ontem, 11 de Outubro de 2015, terminou de forma ensombrada. Senão, vejamos: neste dia, tomámos conhecimento da morte do norte-americano Steve Mackay  (imortalizado nos anais da História da Música Pop do século passado mercê da sua participação no segundo álbum dos Stooges, “Fun House”, em 1970).
[Uma daquelas sincronicidades jungianas está, certamente, na origem da coincidência significativa que foi o facto de na emissão mais recente d’O Arranca Corações  (emissão # 158, emitida neste mesmo dia 11 de Outubro e que pode ser escutada AQUI) ter sido transmitido um tema com a participação deste saxofonista. Refiro-me ao tema “C”, que integra o registo “Titans”, dos barcelenses Black Bombaim.]

Nazari-genealogical-tree-122-large

Neste dia ainda (sendo esta razão principal desta entrada) morreu o australiano John Murphy. [Se a memória não me falha só tive uma única oportunidade de assistir a um concerto de Murphy. Foi no dia 13 de Abril de 2002, na sede dos Bombeiros Voluntários de Colares  (Sintra), aquando de um concerto de Death in June e NON.]
Este músico prolífico, cuja carreira se desenrolou entre 1977 e 2015, colaborou com uma miríade de outros artistas do panorama industrial, dos quais apenas opto por destacar somente os meus predilectos:SPKLustmordWhitehouse, Death in June, Der Blutharsch, Sword Volcano Complex, Current 93, Blood Axis, Kraang, Sleeping PicturesScorpion WindNaevusNON  (Boyd Rice), Nico e Zeena Schreck  (filha do Sr. Anton Szandor La Vey).

thegrimselpath

The Grimsel Path (Jon Evans John Murphy)

Por estes dias, curiosamente, ando a revisitar um dos seus projectos, refiro-me a Krank. No meu leitor de CD’s tem rolado incessantemente “Chaos”, a versão em CD, de 1991, da K7 editada originalmente em 1983 pela Extreme. Esta sua aventura sónica foi recuperada em 2014, por ocasião do EPICUREAN ESCAPISM FESTIVAL 2014, realizado em Berlim. Confiram AQUI o vídeo “Verdant Hum”, creditado a Krank (Jonh Murphy) e The Grimsel Path (John Murphy, na “electrónica arcana” e Jon Evans, na “electrónica apócrifa”, respectivamente).
Sendo este um blogue cuja nomenclatura órbita em torno da música industrial, permito-me efectuar aqui uma singela homenagem a Murphy, convidando-vos ao visionamento do vídeo que se segue.

Resquiciat in Pace, Mr. Murphy!