Um inimigo do povo

(…) Geralmente, os grupos constituídos não pedem aos seus membros qualidades individuais eminentes. A quem se saliente, por excepcionais qualidades de inteligência, de imaginação, de delicadeza, de maleabilidade, de dinamismo, de independência, de crítica, de aptidões profissionais, preferem que não faça ondas, quem se sintonize com o código da colectividade, quem não se saliente. Os do grupo temem ficar na sombra, diminuídos. Aos assomos de génio e de autonomia preferem a mediocridade. O conformismo é o clima ideal do grupo. O génio, no grupo, constitui um escândalo. A originalidade, a heresia, o inconformismo, são atitudes que o grupo repele. Em Um inimigo do povo, de Ibsen, o prefeito Stockmann diz ao seu irmão: «Não te assiste o direito de exprimires qualquer opinião que seja contrária à dos teus superiores». (…)

CRUZ MALPIQUE em “Miguel de Unamuno – nada menos que todo un hombre”, Divulgação, Porto, 1968.

unamunopoeta

Miguel de Unamuno y Jugo (Bilbau, 29 de Setembro de 1864 – Salamanca, 31 de Dezembro de 1936)