A Memória Inconsciente das Formas Transfiguradas – Neil Leonard (usa) + Ana Carvalho (pt)

Domingo, 21 Junho 2015, às 16:38h (instante solsticial)
Círculo Católico de Operários do Porto, Rua Duque de Loulé, 202 – Porto
Com ‘tributo’ a 4 SOIS argênteos

A Andrómeda – Agenciamento & Produção, em conjunto com o projecto Pé Direito, organiza a primeira apresentação em Portugal de Neil Leonard (Saxophone & Live Electronics). No âmbito da sua passagem pelo nosso país e subsequente participação na série “A Memória Inconsciente das Formas Transfiguradas”, o músico norte – americano será acompanhado na manipulação visual ao vivo pela artista intermédia Ana Carvalho.
“A Memória Inconsciente das Formas Transfiguradas” consiste num ciclo de programação musical comissariado por Júlio Mendes Rodrigo e André Fonseca, e é regido pelo mote: “EXPERIMENTALIA votada a uma Electrónica das profundezas!”

ApoiosCONFEDERAÇÃO – Colectivo de Investigação TeatralDie Elektrischen VorspieleRua do Sol 172

Mais informações em:
https://www.facebook.com/events/1489263391364347/
http://electronicactonica.tumblr.com/about
https://andromedagenciamento.wordpress.com/
http://www.facebook.com/andromeda.agenciamento
http://pe-direito.tumblr.com/

cartaz 21junho_Neil Leonard & Ana CarvalhoCartaz por André Fonseca

α

Neil Leonard é um compositor, saxofonista e artista multidisciplinar norte-americano. O seu trabalho desenvolve-se em vertentes distintas; que passam pelos seus concertos a solo, nos quais privilegia o saxofone a electrónica, até aos seus trabalhos para Orquestra, Instalações Audiovisuais, Dança, Teatro e Performance.
As suas composições/performances foram apresentadas em contextos tão distintos como: Carnegie Hall, Boston Globe Jazz Festival, Musicacustica (Pequim), International Computer Music Convention (Montreal), Tel Aviv Biennial for New Music, Moscow Autumn, Auditorium Parco della Music (Roma), Museu Rainha Sofia (Madrid), Panama Jazz Festival, Jazz Plaza International Festival (Havana).
O seu ensemble já integrou nomes como Marshall Allen (director da Sun Ra Orchestra), Bruce Barth, Joanne Brackeen, Don Byron, Uri Caine, Kenwood Dennard, Robin Eubanks, Oriente Lopez, Rudresh Mahanthappa, Badal Roy, Jamaaladeen Tacuma. Da sua vasta lista de colaborações destacam-se aquelas protagonizadas com Juan Blanco, Richard Devine, Bill Frisell, Phill Niblock, Robin Rimbaud (aka Scanner) e Amnon Wolman, apenas para citar alguns.
Neil Leonard desempenha também o cargo de director artístico do Interdisciplinary Arts Institute no Berklee College of Music (USA), é ainda investigador afiliado ao Programa de Arte, Cultura e Tecnologia do MIT.

neil_bwNeil Leonard

Ana Carvalho é artista Intermédia, compõe e faz performance com vídeo. As imagens do seu trabalho videográfico performativo traduzem a incessante e permanente procura, pela multitude “Naturopolifónica” através das cores e das formas, a relação entre o microscópico e o cósmico, entre a unidade e o indistinto estrelar ruidoso.
Artista vencedora do prémio Bolsa Ernesto Sousa 2012, com a duração de três meses, em Nova Iorque (Bolsa co-financiada pela Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento e pela Fundação Calouste Gulbenkian). Trabalha em ambientes colaborativos com artistas de várias áreas mas especialmente artistas sonoros, entre eles: Andrea Parkins (EUA), Ben Owen (EUA), Brendan Byrne (UK), Maile Colbert (EUA / PT) e João Ricardo (PT). Apresentou as suas performances no Experimental Intermedia Foundation (Nova Iorque), Vision’R Festival (Paris), Arranjos Experimentais (São Paulo) e Decalcomania Curatorial Project, Newlyn Gallery (UK), entre outros. Desenvolve projectos que descrevem interacções, de onde surgem combinações narrativas entre a ficção e a realidade e que reflectem o processo como prática artística.
A sua tese de doutoramento tem o título “A Materialidade do Efémero: Identidade da performance Audiovisual ao Vivo e a Possibilidade de Documentação e Construção de Memória”. Ana Carvalho é também professora no ISMAI e investigadora responsável pelo projecto Ephemeral Expanded (desde 2014) e pelo co-responsável pelo projecto VJ Theory  de 2006 a 2009). Co-editora do livro “VJam Theory: Collective Writings on Realtime Visual Performance” (realtime books). Co-organizadora dos eventos Abertura (Lisboa). Como investigadora, os seus interesses concentram-se na relação entre Efémero e Documento do ponto de vista do artista e como parte inclusa do processo criativo.
Apresentou resultados da sua investigação em conferências e festivais, dos quais se destacam: Perform.Media (Bloomington Indiana University), GLOB ART Perspectives Symposium (Munique), Open Research Panel: Live Cinema (Camberwell Chelsea Wimbledon, University of the Arts London), Besides the Screen (Goldsmith College) e Arranjos Experimentais (Universidade de São Paulo). Tem artigos publicados em diversas revistas. Escreve regularmente para a publicação online Digicult, (Itália).

ana

Ana Carvalho

Ω