“A Torre Fulminada” na Noite Branca de Braga

«O seguro não é seguro: é terrível.»
Martin Heidegger

A cidade de Braga volta a receber a 13 de Setembro mais uma edição da Noite Branca. Este que é um dos grandes eventos resultantes da Capital Europeia da Juventude (CEJ) Braga 2012 teve repetição em 2013 e levou mais de 100.000 pessoas às ruas da cidade na última edição.
Ao longo das duas edições, o evento criou diversas actividades desde animação de rua a mostras de artesanato, performances, teatro, instalações, dança, manteve o comércio aberto até às 24 horas e ofereceu concertos de artistas com reconhecimento nacional.

Entre as 00:00 horas do dia 14 de Julho e as 23:59 do dia 1 de Agosto, a Fundação Bracara Augusta, em parceria com a Câmara Municipal de Braga, abriu concurso para intervenções artísticas que visassem integrar a iniciativa “ Braga Vai Passar a Noite em Branco 2014). De acordo com fonte oficial, foram submetidas cerca de 170 candidaturas. Apenas 13 foram aprovadas. Uma dessas candidaturas intitula-se “ A Torre Fulminada” e o seu proponente é actor/encenador, Nuno Marques Pinto. Este acto poético/performativo toma como ponto de inspiração para a sua concretização um dos Arcanos Maiores do Tarô, neste caso a carta XVI, comummente designada de “A Torre”, “A Torre da Destruição”, ou ainda, “A Casa de Deus”.

1-Alejandro Xul Solar -A TorreComo se pode constatar, através da observação da imagem que ilustra esta entrada (“Torra”, de Xul Solar), esta, contempla sete figuras humanas, a serem abordadas nesta proposta em consonância com os pressupostos intrínsecos à Numerologia Pitagórica. Assim, de acordo com esta “escola” filosófica o número Sete é visto como um número de grande espiritualidade. Representa os sete dias da semana e as sete cores do arco-íris. O 7 é o número da perfeição, integra os dois mundos e é considerado símbolo da totalidade do Universo em transformação. Este número está associado à espiritualidade, à pesquisa, á introspecção, e ao ocultismo. O que pensa. Palavras-chave: análise, investigação, lógica e misticismo, reflexão.
Num sentido mais abrangente o número Sete pode ser entendido enquanto símbolo da totalidade do Universo em transformação, carácter perene do universo simbólico, através da sua dança intemporal efectuada ao sabor dos ritmos astro-biológicos que regem o Cosmos. Nesta dança dos tempos, obviamente, encontra-se incluída a cidade de Braga, fundada pelos romanos como Bracara Augusta, contando já com mais de 2 000 anos de História. Através da interpretação de “A Torre Fulminada” pretende-se render uma singela homenagem à antiga capital política e intelectual do reino dos Suevos, cidade moldada e transformada através da acção do Tempo, esse grande escultor (expressão deveras feliz, cunhada pela mente inquieta de Marguerite Yourcenar). Para o efeito foi concebida esta performance que entrecruzará a linguagem teatral com a música, sugerindo a sua execução em três momentos ao longo da noite de 13 para 14 de Setembro. O Sete relaciona-se ainda com a sabedoria, reflexão, busca de outras respostas além daquelas oferecidas, meditação, descanso, paz interior. Em tempos convulsivos e mais inquietos, como aqueles que vivenciamos, parece-nos bastante oportuna a ocupação da Torre enquanto Zona Temporariamente Autónoma, possibilitadora de um encontro/confronto com o nosso verdadeiro “Eu”.

Muito em breve, disponibilizarei neste mesmo espaço toda a informação imprescindível para todos quantos desejem deslocar-se a Braga, já no próximo fim-de-semana, com o intuito de assistirem a esta ou outras intervenções artísticas.
Para já, apenas vos levanto um pouco a ponta do véu! (Acho que a Madame Blavatsky iria gostar desta…).
Permitam-me, para já, que apenas vos revele a ficha técnica. Como referi anteriormente, mais informações serão disponibilizadas muito em breve!

“A Torre Fulminada”

Horto-de-punhais-5

Nuno Marques Pinto – Voz, Dramaturgia, Poemas
Angélica Salvi – Harpa
Júlio Mendes Rodrigo – Investigação e Dramaturgia
Rafael Cortés – Operação de Luz e Som
Miguel Carneiro – Cenografia
Dayana Lucas – Design

Produção – ANDRÓMEDA Agenciamento & Produção.
Parceiros – Projecto MOMO, Oficina Arara, Die Elektrischen Vorspiele.
Apoios – Fundação Bracara Augusta, Câmara Municipal de Braga.

Apoio:

logo Fundação Bracara Augusta