Arachne Rising

“Os raios que estruturam a teia são solares: levam racionalmente a direito para fora da floresta. Quem quer permanecer lá dentro, entregue à contemplação, tem de seguir o caminho lunar da espiral. Tem de perder-se de facto e em espírito, tal como o místico se esquece de si ao entrar em transe. Não há exemplo melhor da diferença entre conhecimento solar e lunar que imaginar o homem de negócios a correr para um encontro, interessadíssimo no tempo e no espaço ao escolher caminho mais curto entre A e B, de modo a não perder tempo, como homem solar que é – compará-lo com o sacerdote hopi invocando os deuses da chuva, ou o dervixe bailando em espiral que não se dirige para parte nenhuma. Para parte nenhuma em termos de tempo e de espaço. Ele dança para entrar num estado diferente.”

J. VOGH, Arachne Rising: the Thirteenth Sign Of The Zodiac, Londres 1977 (Granada)

zodiac-man-BNeste pequeno excerto, Vogh, associa a estrutura da teia de aranha ao labirinto, comparando-as como símbolo de conhecimento. E agora? Vamos pensar um pouco?