Gurdjieff dixit!

“Neste momento o único meio para o salvamento dos seres do planeta Terra seria implantar de novo um órgão nas suas presenças… de propriedades tais que cada um destes desafortunados durante o processo da existência constantemente sentissem e fossem sabedores da inevitabilidade da sua própria morte bem como da morte de todo aquele sobre o qual os seus olhos ou atenção repousem.
Só uma tal sensação e um tal conhecimento podem agora destruir o egoísmo que neles completamente cristalizou”

G. I. Gurdjieff, in “All and Everything”

gurdjieff_iconUm dia um encontro com um homem notável, de seu nome Gurdjieff*, fez-me compreender que em tempos imemoriais uma hoste de arcanjos decidiu terminar com o desenvolvimento da Razão Objectiva. Para tal, implantaram na Humanidade um órgão chamado de “Kundabuffer” cuja principal função é a de obrigar a percepcionar a Ilusão enquanto verdadeira Realidade.
Urge, pois, destruir esse mesmo órgão visando a implementação de um outro que nos permita rasgar o véu ilusório de “Maya”.

*George Ivanovich Gurdjieff – em arménio: Գեորգի Իվանովիչ Գյուրջիև, em georgiano: გიორგი გურჯიევი, em grego: Γεώργιος Γεωργιάδης, em russo: Гео́ргий Ива́нович Гюрджи́ев (Ufa!) – foi um místico e mestre espiritual, excelso promotor da filosofia do “Profundo Autoconhecimento”, através da “Lembrança de Si”. De entre as suas obras, destaco como sendo de fulcral importância os “Relatos de Belzebu a seu Neto”.
Gurdjieff nasceu em 1866, nos confins mais remotos do Império Russo e terminou os seus dias em Neuilly-sur-Seine (França), onde morreu em 1949