Goethe dixit

« A divindade age no ser vivo, mas não na morte; ela está no que advém e que muda, mas não no que adveio e no que se ficou. Também, a razão, na sua tendência para o divino, não deve ter de tratar senão com o que advém, com o ser vivo…»
Goethe, “Lettres à Eckermann”

Goethe afirmou, é certo. E agora, que tal se pensássemos um pouco sobre o assunto?

From-whence-Freher-71Emblem 71 from Dionysius Andreas Freher’s “Paradoxa Emblemata” written in the early 18th century. Through a sequence of 153 such emblems, Freher (born 1649) illustrates Jakob Böehme‘s mystical cosmology: a progression beginning at a natural unity, differentiating via free will—even rebellion, and finally returning to a more sublime unity.