Tropic of Cancer

“Los Angeles based artist Camella Lobo has been quietly releasing music under the moniker Tropic Of Cancer since 2009. Drenched in romanticism and soaked in themes of solitude, mortality and love, her music forms a strangely hypnotic connection with its listener. Lobo’s majestic vocals, warmly cradled by waves of ascending synths, plangent guitar, and foreboding beats, summon the listener into a world of dark decadence and delicate beauty. Formerly a duo with minimal electronic artist, Silent Servant, Lobo has enlisted the assistance of Taylor Burch to help execute her music in a live setting.”

blackest003sideaDesde Janeiro do corrente ano que ando para tentar arranjar disponibilidade para escrever umas parcas linhas acerca dos meus discos favoritos de 2013. Sei que já estamos em Junho, mas, mesmo assim, fica cá o compromisso para comigo próprio em como o irei fazer a curto prazo. No entanto, da dezena de discos que figuram na minha lista de preferências, aquele que ocupa o lugar cimeiro intitula-se “Restless Idylls” e está creditado aos Tropic of Cancer, banda norte-americana liderada por Camella Lobo. De vez em quando dou comigo a pensar porque é que gosto tanto da sonoridade desta banda. Se calhar, a “culpa” é da pessoa que em 1987 me deu a conhecer os Sisters of Mercy via “Floodland”. É certo que, na actualidade, eu não escuto muito essas sonoridades datadas pelo peso das já quase três décadas entretanto volvidas. No entanto, aquele disco dos Sisters tem qualquer coisa de atemporal que, ainda assim, desperta algo cá dentro. Pois, é isso. Não escuto muito esse tipo de sonoridades, é certo. Mas sempre que as mesmas me são apresentadas através de uma “nova roupagem” aliada a uma identidade/carisma distintivo qb, eu tenho tendência a ficar “colado”. E, colado permaneço relativamente a esse disco de 2013 intitulado “Restless Idylls”.
É verdade, se morais no Porto ou arredores, correi a comprá-lo, pois que há tempos o vi à venda na Materia Prima. No entanto, se tal não vos aprouver vede e escutai, ao menos, este belo tema intitulado “A Color”.