O Arranca Corações # 87 “ Agostinho da Silva: intervenção oral no Martinho da Arcada, por ocasião de um encontro alusivo ao aniversário de Álvaro de Campos”

Na madrugada do próximo Domingo, dia 18 de Maio, da 1h às 2h da manhã, vai para o ar mais uma emissão d’O Arranca Corações.

reflexão- agostinho da silvaNuma das emissões anteriores tive a oportunidade de anunciar um programa inteiramente dedicado à memória de Agostinho da Silva. Programa este que efectivamente irá para o ar já no próximo Domingo.
Agostinho da Silva nasceu a 13 de Fevereiro de 1906 no Porto, tendo crescido em Barca de Alva. Na Faculdade de Letras da Universidade do Porto tirou o curso de Filologia Clássica – tendo antes frequentado o curso de Românicas – com 20 valores. Fez o doutoramento – O Sentido Histórico das Civilizações Clássicas – com o «maior louvor». Uma bolsa de estudo leva-o então até à Sorbonne ao Collège de France.
De regresso a Portugal foi professor no liceu José Estêvão em Aveiro, em 1933. Entusiasta, empenha-se muito para além das funções que lhe eram exigidas.
Apenas dois anos depois de entrar para o ensino público, é exonerado, por se recusar a assinar a Lei Cabral (obrigatória para os funcionários públicos). Um documento onde tinha que jurar não pertencer a nenhuma sociedade secreta isto é, assinar uma declaração em que garantisse não pertencer a qualquer organização secreta. Apesar de não pertencer a nenhuma organização desse género, Agostinho da Silva recusou-se a assinar tal documento.
Agostinho da Silva começa a dar aulas no ensino privado e explicações particulares. Em 1944, foi excomungado pela Igreja Católica, facto que o levou a abandonar Portugal para se fixar no Brasil, país onde desempenhou funções e ocupou cargos importantes no domínio da investigação histórica, mantendo sempre ligações de docente com universidades brasileiras, do Uruguai e da Argentina.
Em 1976, Agostinho da Silva, com naturalidade brasileira há mais de 20 anos, decidiu voltar a Portugal. Com direito a uma pensão de aposentação, decidiu, ainda em 1976, criar o Fundo D. Dinis para atribuição do prémio com o mesmo nome.
Para além de professor, filósofo e investigador, Agostinho Baptista da Silva notabilizou-se como grande escritor da língua portuguesa. No seu currículo constam mais de 60 obras, muitas delas publicadas durante a sua permanência no Brasil. Agostinho da Silva morreu em 3 de Abril de 1994, com 88 anos de idade.

No ano em que se comemora o vigésimo aniversário sua morte prestamos, desta forma, uma singela mas sincera homenagem a um dos vultos maiores da cultura nacional.

Nota Bene: As informações biográficas aqui enunciadas foram retiradas do site da Universidade de Lisboa.

Para aqueles que não possam acompanhar a emissão online do programa deixo aqui as frequências de transmissão da NFM.

frequc3aancias-nfmA Rádio NFM faz bater mais forte o coração da música independente!