“La Jetée”

La_Jetee_Poster

A primeira vez em que ouvi falar do realizador Chris Marker foi no segundo semestre do Mestrado em Arte Multimédia da FBAUP, quando a professora de Fotografia, Cinema e Vídeo exibiu o filme “La Jetée”. Este é um filme a preto e branco que prescinde de uma das principais características intrínsecas à linguagem cinematográfica: O Movimento.

Marker, nascido em 1922 estudou filosofia com Jean Paul Sartre e Guy Debord. Trabalhou ainda com Alain Resnais no documentário “Nuit et Brouillard” realizado em 1955.

La Jetée” é um filme de ficção científica que aborda dois temas recorrentes neste género: a viagem no tempo e um cenário pós-apocalíptico. O filme, narra a história de um sobrevivente da III Guerra Mundial que vive nos subterrâneos de uma Paris destruída. O personagem mantém cativas recordações de uma infância feliz, vivida na superfície, anteriormente à guerra, quando os seus progenitores o levavam ao aeroporto de Orly para observar os aviões. Uma das suas mais antigas recordações ocorre nesse aeroporto, onde assiste ao assassinato de um homem. Devido a essas recordações um grupo de cientistas escolhe-o como cobaia para experiências de viagens temporais. No decorrer de uma viagem no tempo o protagonista vê transformada a sua percepção da vida e do mundo.