City Symphony Tradition

The Man With the movie Camera
O presente texto serve de reflexão à posteriori do Workshop de Documentário Interactivo, (Uma rede de retratos urbanos inspirados nos “filmes-sinfonia” da era do cinema mudo) realizado em Julho de 2007 em parceria com a UT-University ofTexas at Austin, ao abrigo do programa CoLab, International Colaboratory For Emerging Technologies.

No seu livro “ The Language of New Media” Lev Manovich , incontornável autor para aqueles que se relacionam directamente com a interacção Novas Tecnologias/Arte, o supracitado teórico inicia a sua obra com o seguinte prólogo:

“The avant-garde masterpiece A Man With a Movie Camera completed by Russian
director Dziga Vertov in 1929 will serve as our guide to the language of new
media. This prologue consists of a number of stills from the film. Each
still is accompanied by quote from the text summarizing a particular
principle of new media. The number in brackets indicates a page from which
the quote is taken. The prologue thus acts as a visual index to some of the
book’s ideas”.

Pouco tempo após a realização do filme “ The Man With the movie Camera”, Vertov publicou um “statement” em que afirma que o seu filme foi construído sobre “a forma de uma Sinfonia Visual” 1
Embora cronologicamente não possamos afirmar que Vertov foi o precursor do género cinematográfico designado como “Sinfonia das Cidades”, género este que se movimenta nas fronteiras do documentário, narrativa e cinema experimental, uma vez que temos como exemplo seminal logo em 1921 a obra Manhatta (Paul Strand & Charles Sheeler):
Manhatta
Ou então Berlin: die Symphonie der Grosstadt (Walther Ruttmann, 1927):

Berlin: die Symphonie der Grosstadt

A grande maioria destes filmes enfatizava e exaltava a metrópole como o “topos” supremo e absoluto da Modernidade. Acima de tudo estes filmes procuravam ser tão ou mais modernos que o seu tema de estudo de eleição: A Cidade!
As semelhanças com as expressões avant-gard específicas da época são muitas e diversificadas. O carácter espontâneo destes filmes não vinculados directamente aos grandes estúdios da época, evocavam o olhar impressionista, assim como numerosas técnicas que remetem para a fotografia construtivista.
Através da utilização das mais variadas e ousadas técnicas experimentais, as “ Sinfonias das Cidades”, não evocavam e enalteciam só as metrópoles como os expoentes máximos da modernidade a nível arquitectónico, mas enalteciam também os ritmos, a cadência sincopada da vida moderna que então fazia “formigar” as grandes capitais da época. O cinema bucólico e herdeiro da pantomina, dava lugar a um novo estilo que inaugurava assim a nível pictórico as fronteiras da modernidade. Encontramos neste género cinematográfico representações muito claras da Modernidade, tal e qual como foram preconizadas por teóricos como Walter Benjamin ou Siegfried Kracauer.
Celebrando a dinâmica da vida urbana, as “Sinfonias das Cidades” sugeriam que o cinema era a melhor forma de expressão e o melhor meio para “capturar” estes fenómenos arautos de uma cada vez mais crescente modernidade.

Citando Keith Beath poderemos concluir que:

 

In this way the subtitle of Ruttmann’s film was applied to numerous films
within which practices of visual kinaesthesia constructed a ‘symphony’ based on
the diurnal cycle of life in the modern metropolis, while simultaneously
infusing avant-gardist perspectives with a historically and politically
cognizant form of social criticism.

 

JÚLIO MENDES RODRIGO, 21 DE OUTUBRO DE 2008

FILMOGRAFIA ESSENCIAL:

Manhatta (Paul Strand & Charles Sheeler, 1921)

Paris Qui Dort (René Clair, 1925)

A propos de Nice (Jean Vigo, 1930)

Rien Que les Heures (Alberto Cavalcanti, 1926)

Skyscraper Symphony (Robert Florey, 1929)Berliner Stilleben (László Moholy-Nagy, 1931)

Manhattan Medley (Bonney Powell, 1931)

The Man with the Movie Camera (Dziga Vertov, 1929)

Berlin: die Symphonie der Grosstadt (Walther Ruttmann, 1927)

BIBLIOGRAFIA:

KRACAUER, Siegfried, From Caligari to Hitler: A Psychological History of the German Film, 1947

http://www.archive.org/details/fromcaligaritohi013829mbp

¹A. MICHELSON, Kino-Eye: The Writings of Dziga Vertov, University of California Press, Berkeley, 1984.

O Olhar de Ulisses. O Homem e a Câmara. Cinemateca Portuguesa. 2001

ROCHA, Luís Filipe, Jean Vigo , Edições Afrontamento,1981

GRANJA,Vasco, Dziga Vertov, Livros Horizonte, Lisboa, 1981

MANOVICH Lev, The Language of New Media, The MIT Press, 2002

BEATTIE, Keith, From City Symphony to Global City Film: Documentary Display and the Corporeal

http://www.latrobe.edu.au/screeningthepast/20/city-symphony-global-city-film.html