Luzifers Hofgesind

luzifers_hofgesind__eine_reise_zu_den_guten_geistern_europas_2

 

“Lucifer, a quem chamas Lucibel, não é, para ti, o Diabo? Quem é, então Lucifer – Lucifer, é a natureza tal como a vês em ti, à tua volta e acima de ti. É duplo: é a Terra sem luz, e também o Céu de Luz, que dispensa a vida. – Lucifer é vosso Deus? – Porque falas de Deus e não de Divindade? Esta noção de Deus implica uma representação pessoal. Os meus contemporâneos alemães, deverias sabê-lo, chamam sempre à divindade das Gott. Os conceitos bíblicos, quer queiram quer não deformaram o vosso espírito. – Lucifer é, então, a vossa divindade? – Não, é um mediador. – O homem necessita de um mediador? – Sim, mas não de um mediador que o liberte: de um mediador que se apresente simplesmente como modelo e como exemplo. Lucifer é também o Sol. Necessitas dele para ter vontade de viver, e também para aceitar morrer…No Inverno, o Sol morre, Na Primava renasce e renova-se. Traz consigo a luz da vida e a certeza que é o contrário da incerteza. – A certeza do renascimento? – Sim, se preferires, seria mais correcto dizer: a vitória sobre a morte, a imortalidade. “

OTTO RAHN Diálogo com o Cátaro em “ A Corte de Lucifer” (1937)